Implementação de plataforma de interoperabilidade de informação em saúde
– Arquitetura de implantação

No texto anterior tratamos do Registro Eletrônico de Saúde (RES), no qual consiste de um ou mais repositórios integrados que contém informações relevantes sobre a saúde e bem-estar dos pacientes. A informação de saúde é representada de acordo com modelos lógicos padronizados ou consensuais, e o acesso à informação é feito de forma segura e disponível para múltiplos usuários autorizados.

No texto de hoje será abordado como funciona a Arquitetura de Implantação.
A arquitetura de implantação é elaborada a partir do estabelecimento de plataforma de gestão para implantação e manutenção do RES, e deve ser definida em dois blocos: a infoestrutura e a infraestrutura.

Uma vez estruturada e implantada, a plataforma tecnológica irá materializar a interoperabilidade, promovendo as diversas aplicações e serviços eletrônicos de saúde. Dentre essas aplicações e serviços eletrônicos, pode-se destacar:

  • Prontuário Eletrônico de Paciente (PEP): Sistema de informação clínica que gerencia informação do prontuário de paciente, de forma eletrônica. Geralmente usado por hospitais e clínicas.
  • Sistemas Laboratoriais: Sistema de informações laboratoriais que gerencia a entrega de resultados de exames de forma eletrônica.
  • Portal Clínico: Portal de acesso, pelo profissional de saúde, a informações relevantes acerca da continuidade da atenção em saúde.
  • Portal de Saúde do cidadão: Portal de acesso, pelo cidadão, a informações pessoais de saúde (Registro Eletrônico Pessoal de Saúde – REPS), tais como o histórico de atendimentos, resultados de exames, medicamentos, informações pessoais contidas no RES.
  • Aplicações Mobile e equipamentos de Homecare: permite acesso pelo usuário e pelo profissional de saúde através de dispositivos móveis e outras aplicações.

O conjunto de diretrizes, ações estratégicas, processos de gestão, requisitos sociais e plataforma tecnológica, definem a arquitetura de implementação de interoperabilidade de informação em saúde. Essa arquitetura é concebida como um conjunto de soluções tecnológicas e de gestão, que atuarão de maneira independente e descentralizada, porém articulada, coordenada e integrada. Essa arquitetura favorece o aproveitamento de soluções tecnológicas e experiências existentes localmente, enquanto permite a construção de soluções de abrangência ampliada de forma gradual, modular e desacoplada.

Na próxima semana, daremos continuidade ao tema abordando a Infoestrutura de interoperabilidade de informações em saúde.
Clique aqui para acessar a parte 1 – 
Implementação de plataforma de interoperabilidade de informação em saúde.